Análises

  • Capa de Resident Evil 3 Foto de Xandy Monteiro Xandy Monteiro para Resident Evil 3
    no
    PS4
    há 12 horas
    RE3 Remake é um erro para os saudosistas da época dos anos 90. Campanha muito curta, adicionaram alguns elementos que não havia necessidade, ao menos permanecer os pontos importantes do clássico que na grande maioria não estava presente. O Nemesis não me deu medo como no antigo e não tem em nenhum momento as aranhas como foi falado que teria segundo as notícias da internet. Pra mim o jogo é fraco, mas para outros pode ser bom.
  • Capa de Final Fantasy V Foto de Xandy Monteiro Xandy Monteiro para Final Fantasy V
    no
    iOS
    há 12 horas
    Final Fantasy V foi o meu terceiro jogo que zerei da franquia. É uma game bastante envolvente, ele te prende aos poucos pelo menos foi assim comigo. No início você fica se perguntando muita coisa do que está acontecendo mas depois tudo vai se encaixando. É um excelente jogo da franquia.
  • Capa de Final Fantasy VII Foto de Xandy Monteiro Xandy Monteiro para Final Fantasy VII
    no
    PS4
    há 12 horas
    É o meu jogo da vida, foi o primeiro Final Fantasy que joguei, através dele conheci a franquia. A música me marcou muito na época, eu ainda era criança e ouvir aquelas melodias me faziam chorar com várias sensações que sentia. Simplesmente fantástico e mágico o que eu vivi com esse jogo.
  • Um jogo que cumpre o que promete se esse é o quesito terror. O sistema áudiovisual do jogo é muito bom, os barulhos que os fantasmas fazem te dão um incômodo bem visível. Quando os fantasmas chegam a tela fica meio que com efeito de filme antigo, o que aumenta ainda mais o clima de tensão e medo. O sistema de combate não é tão bom, achei um pouco ruim. Com certeza um dos melhores silent hill no quisito terror psicológico. Os cenários são bem macabros e agoniantes. Recomendo .
  • Esta análise contêm spoilers

    Não sei porque esse jogo não é tão famoso como as franquias de silent hill e resident evil. The evil within é um jogo que causa aquele impacto logo no início, você sente a tensão do jogo e o impacto da violência e brutalidade. Dificilmente o jogo se torna repetitivo e enfadonho. há uma enorme variedade de tipos de inimigos que precisam de uma estratégia para que se mate cada um de modo que você conserve munição pois se elas acabarem na hora errada (dos chefes) pode ser uma dor de cabeça, por isso exige uma estratégia muito grande do jogador. Pode-se usar elementos do cenário e armadilhas para eliminar os inimigos sem gastar munição. O jogo possui muitos bugs que as vezes atrapalha, como um iten (chave) sumir antes de ser coletada, inimigos que nao morrem com granadas em determinados lugares, não aparecer o botão especifico para executar uma ação (por exemplo, desarmar uma armadilha) entre outros. As vezes, as mortes não são tão legais por exemplo quando o protagonista é explodido ou dilacerado por um inimigo. Mas a gameplay do jogo é muito boa, sempre um ar de mistério, envolvimento com a história quando começamos a ler as memórias/notas da vida de Sebastian. Uma coisa que achei um muito chata foi o fato de alguns chefes te matarem com um so hit, ou toque, se te pegar, você morre, talvez seja uma estratégia para que nos escondamos em lugares estratégicos (embora em algumas fazes não tenhamos essa opção de se esconder de um chefe mortal) Esse jogo merecia muito mais reconhecimento, um dos melhores jogos de survival horror do ps3, com certeza. recomensadissimo.
  • Um jogo que tem um diferencial por ter uma história como outro jogo qualquer, saindo daquela linha de so correr e correr para ganhar. O visual do jogo e muito bonito. Tem algumas fases que nao fazem muito sentido, as fases que se precisa correr em um tempo determinado. O ponto negativo é que existem muitos obstáculos que as vezes parece impossível de ver e desviar a tempo quando se está em alta velocidade, levando em consideração que os adversários nunca batem o carro a não ser que você faca-os bater. É um jogo bom.
  • Capa de WET Foto de Nilson Silva Nilson Silva para WET
    no
    PS3
    há 1 dia
    É um jogo que apresenta uma proposta bem batida, a mocinha que persegue bandidos. Bem repetitivo, tanto os comandos de atirar em camera lenta quanto o que se deve fazer no jogo. Mata os inimigos, chegam mais, anda mais um pouco, mata inimigos e chegam mais, nada de novo, as vezes são tantos inimigos e fazendo os mesmos comandos que fica cansativo. O gráfico deixa a desejar muitíssimo, é um jogo até bom mas os gráficos não foram bem trabalhados para a plataforma PS3. A trilha sonora é boa, mas dependendo da fase a mesma música toda em um loop que demora varios minutos.
  • Achei que o jogo fechou a desejar. A experiência do game não satisfaz por completo o desejo e a ansiedade da espera por um jogo clássico como foi seu antecessor.Mais ou menos dar pra levar ,pela a jogabilidade , mais a campanha e muito curto deixando o jogador frustado pela falta de conteúdo que poderia deixado o jogo muito mais atrativo e excepcional aos jogadores e fãs de residente evil.
  • O que dizer deste game? Simplesmente impecável em todos aspectos, não consigo tecer nenhuma crítica a este jogo apenas desfruto dele e curto cada momento. Se for pra reclamar de algo, poderíamos acessar Guarma de forma livre. Mas, não estraga a experiência.
  • Capa de FIFA 20 Foto de Anderson Lopes Anderson Lopes para FIFA 20
    no
    PS4
    há 2 dias
    Então, acredito que enquanto a EA Sports ver que o jogo é sucesso de vendas, continuará preguiçosa. Acho terrível a gente não ter uma percepção dos efeitos da chuva além do campo pesado. Lembro remotamente no longínquo FIFA 99 do N64 que apesar da limitação gráfica isso era perceptível, tais como mudanças climáticas. Ademais, concordo com Samuel Ribeiro. A máquina realiza lances impossíveis das quais tornam a realidade do jogo falha. Por fim é o descontentamento em manter todas ligas licenciadas, eu como torcedor da Juventus da Turim me decepciono em ter que jogar com a Piemonte Calcio. Falta diálogo com a Konami para que ambas juntas criem um jogo com melhor resultado, para que caibam aos usuários o direito de escolha para um ou outro jogo, possuindo todas ligas licenciadas para que a experiência seja formidável. Não me esquecendo também. O modo ultimate se tornou um caça níquel, onde visam apenas o lucro. Que não seria um problema se não houvesse preguiça. Desde o FIFA 2016 em tese o que se faz é atualização de elencos, mais nada.
  • Análise de um jogo, invariavelmente, passa pelo crivo e gosto pessoal. Alguns poucos jogos recebem notas excepcionais em todos os pontos e por todos os analistas. Na minha opinião, Shadow of the Colossos não é um desses. O jogo, muito simples em sua dinâmica e enredo, é daqueles com um estilo contemplativo, observador, com cenários e desafios grandiosos, mas pouca interatividade. Você cavalga com seu cavalo por vastos terrenos, belíssimos por sinal, até encontrar um colosso, igualmente magnifico, e com ele trava uma leeeenta batalha. Ponto. O jogo é basicamente isso. É possível procurar por algumas relíquias, descobrir alguns lugares secretos e jogar mais de uma vez para ter acesso a itens novos e locais antes não acessíveis. No entanto, repito, o jogo consiste em caçar os colossos e os derrotar, mas sem todos os elementos de RPG e complexidade de Monster Hunter. Graficos belíssimos, som e trilha sonora bem legais e jogabilidade, às vezes, sofrida, principalmente quando cavalgamos com Agro ou quando tentamos escalar algum colosso. Alem do mais, com o tempo, a jogatina se torna repetitiva e monótona, tendo em vista a simplicidade da gameplay. Enfim, no meu entendimento, pra quem curte um jogo diferente, mais contemplativo, vale a pena experimentar.
  • Garou Mark of the Wolves não chama tanto a atenção por ter personagens pequenos (vejam bem, Ninja Masters e Rage of the Dragons, também dos arcades MVS, têm lutadores pequenos, porém a jogabilidade dos dois compensa e muito em relação ao tamanho dos chars), não tem planos de luta (como Fatal Fury), tem a jogabilidade muito parecida com a de Street Fighter 3 (com pulos pequenos e sistema Just Defend - que defende golpes sem causar dano), tem poucos personagens (dez e mais dois desbloqueáveis - Grant e Kain) e apenas um clássico - Terry Bogard. Marco Rodriguez ("Butt" na versão americana, com golpes vindos de Art of Fighting, pois é discípulo de Ryo Sakazaki e seu dojo) representa o Brasil. Como novatos destaco os dois filhos de Kim Kaphwan, o filho da união - até que enfim - de Mai com Andy (Hokutomaru), um cara que lembra muito Iori de KoF (Freeman) e o protagonista Rock Howard (filho deserdado de Geese). O golpe da barra vermelha (T.O.P) não compensa e nem é bonito de se ver. Já como ponto positivo considero que os cenários estão bem feitos, com muita movimentação e efeitos que "lembram" o 3d. As músicas também são muito boas. Por todos estes motivos considero Garou MotW um jogo intermediário
  • Esta análise contêm spoilers

    Muito ruim o multiplayer, não tem como não revidar se alguém te pega, mais ainda de costa que não tem chance alguma de atira de volta. Vizibilidade péssima, quase impossível em-chegar os inimigos, principalmente em mapas de deserto, neve e mapas com folhagem densar. Armas totalmente desbalanceadas, a M27 IAR é muito roubada, principalmente com a mira térmica e com silenciador (e uma coisa que nunca entendi porque as LMGs são mais precisas do que as Assaults). Campes, muita camperagem em todos os mapas até no mapa Free Fall tem camper, pior nos mapas Siege, StormFromt, StoneHaven e Tremo. Mapas, quase todos os mapas do Ghosts é ruim, só alguns são bons (Tremo, Warhawk, Strikezone, Freight e Octane) o resto é ruim ou é ''Bosta''. Leg, conexão quase toda hora é ruim, pouquíssima vezes a net é boa, e a lentidão da bala para se conectar com o disparo da arma. Hackers, nem preciso fala. Ok, é isso, essa é minha analise do Call Of Dudy Ghosts.
  • Capa de God of War Foto de Wilson Silva Wilson Silva para God of War
    no
    PS4
    há 4 dias
    A proposta do jogo foi bem recebida o sistema de combate e muito melhor daquela versão de apertar quadrado , a dublagem e fantástica bem feita a voz do Ricardo Juarez e sensacional deixando o jogo e épico , muito mais que um RPG .
  • Uma desilusão, Poderia ser um jogão, funções como o gancho o planador mt criativas, varias armas e veiculos, graficos e dublagem exelentes, mas escolheram fazer um jogo repetitivos q vc tem q fazer uma duzia de vezes uma quest praticamente igual pra liberar 1 da missao principal q e legalzinha mas nao e aquela coisa memoravel q o jogo prometia, o jogo cansa rapido e fica tedioso de se terminar...
  • Capa de Tomb Raider Foto de jooj jooj para Tomb Raider
    no
    Win
    há 6 dias
    Um ótimo game pra quem quer ter uma experiência próxima de Uncharted mas não tem um playstation pra jogar uma trilha sonora muito boa, uma história com alguns clichês, mas que incentiva você a zerar o game, um ótimo desenvolvimento de personagens e cenas de ações simplesmente MEMORÁVEIS um dos pontos negativos é a jogabilidade, que algumas vezes te engana, mas que não atrapalha tanto na maioria das partes enfim, vale muito a pena jogar se você puder
  • Capa de The Evil Within Foto de Wagner Junior Wagner Junior para The Evil Within
    no
    Win
    há 1 semana
    Jogo bom demais, direção de arte foda, cenários únicos, boa jogabilidade (só tem iframe demais, acerta os bichos as vezes e atravessa eles), a história não entendi muito vou ter que ver no YT então não vou palpitar, mas no geral é um jogo muito bom! Boas bossfights também, sistema de upgrades funciona, um dos melhores survival horrors dos games
  • Jogo incrível, história surpreendente, fiquei abismado com o final. Cenários, músicas, visuais impressionantes. Jogo rico em detalhes. Exploração do game também é bastante legal, livre pra ir onde quiser desde o início do game. Alguns colossus são maravilhosos e eu ficava encantado com a reação de curiosidade deles. Dificuldade é ok e bug não presenciei nenhum. Maior inimigo do jogo mesmo é a câmera do personagem e a jogabilidade confusa, de resto o jogo é incrível.
  • Esta análise contêm spoilers

    O jogo é bem legal,mas, não e tudo isso,tentaram fazer com que fosse muito bom o mundo aberto porém falha em coisas que o primeiro não falhou mas é bem divertido,vale a pena jogar e testar por si próprio se é bom ou não,o jogo continua o anterior fazendo recapitulacoes modificadas na história e continuando a história modificada
  • Esta análise contêm spoilers

    Vão me desculpar mas ele ter a menor nota entre os lego Batman 1 e 3 , é um absurdo,esse game é incrível ,tem história original,vemos a União dos heróis da liga , a história circundada em eleição do Lex Luthor que sente inveja de Bruce,junto ao coringa,e a sequência final do game com aquele robô coringa gigante, correndo atrás de Batman e o Robin,ele caindo da torre Wayne,a liga se juntando para derrota-lo ,sem dúvida o melhor mundo aberto desta trilogia,o mais divertido,o mais engraçado,lego Batman 3 foi bom porém o mundo aberto é uma bosta e o 1 nem tem mundo aberto,sem dúvida o melhor e mais marcante da trilogia do batman
  • Que lego incrível,o melhor já feito,melhor história original,o mais divertido,maior variedade de personagens,top demais, tudo de mais incrível que poderíamos ter em um lego,10/10 de olhos fechados e de boca aberta com esse triple AAA da lego
  • Com todo o respeito pra mim esse não é o "Goty of war"nem a pau, é um bom jogo,melhora os outros em tudo , porém não é divertido como um Uncharted por exemplo,se Shadow of the colossus remake contasse neste prêmio ganharia fácil, pra mim o Goty 2018 foi spider man
  • Capa de Bubsy 3D Foto de Miguel Baptista Miguel Baptista para Bubsy 3D
    no
    PS
    há 2 semanas
    AAAAAAAAAH! Isso é horrível! Têm mil plataformas, o Bubsy trava e cai quando estamos na beirada da plataforma. As fases são horríveis, e... RESUMINDO: BUBSY 3D É O PIOR JOGO DE PLAYSTATION, NÃO VALE A PENA!
  • Capa de Heavy Rain Foto de Thiago Porto Thiago Porto para Heavy Rain
    no
    PS4
    há 2 semanas
    Jogo: Heavy Rain Desenvolvedora: Quantic Dream Publicadora: Sony Interactive Entertainment Ano: 2010. Heavy Rain: É um jogo de drama interativo escrito e dirigido por David Cage, sua narrativa é com certeza uma das melhores, senão a melhor que já vi em um jogo, nunca imaginava que o personagem x pudesse ser a mente por trás de todas essas mortes, a direção está excelente com cenas muito bem realizadas e diálogos competentes, a direção de arte é fantástica, com uma vasta quantidade de cenários, e consegue ser muito bem feita, cada móvel e qualquer coisa presente em cada ambiente é feito de maneira extremamente calculada (coisa digna de serial killer kkk), o ponto negativo e talvez algo que o impede de ser um dos melhores jogos de todos os tempos é sua jogabilidade extremamente impressisa, que faz com que você cometa erros que possam ser fatais, de resto é uma obra de arte digna e essencial para os amantes de narrativas. ? 7,5 Se inscrevam no canal Kaizo Yarikane para ajudar ??.

Nota do Game

Nos acompanhe!