Critérios de Avaliação

Filtrar por plataforma

  • SNES SNES
  • Win Win
  • PS1 PS1
  • GBA GBA
  • And And
  • iOS iOS
Áudio
Visual
Jogabilidade
Campanha
Diversão

Nota da Comunidade

Baseada em 18 avaliaçãos

Nota da Crítica

Baseada em 1 avaliação

Nota Agregada

Baseada em 19 avaliaçãos

Compartilhe:

Sobre

O enredo é focado no conflito entre um império maligno e criaturas mágicas, os Espers, passado num mundo semi-vitoriano, com tecnologia equivalente à época da Revolução Industrial. Pela primeira vez o jogo passa a mostrar um lado mais tecnológico do que medieval, mostrando por exemplo ferrovias. O jogo apresenta 14 personagens jogáveis e traz assuntos polêmicos como suicídio e gravidez na adolescência.

Análises (3)

Avalie o jogo para escrever uma análise

  • Foto de Lucas Praxedes Lucas Praxedes
    no
    GBA
    há 4 anos

    Sistema de habilidades muito interessante, no inicio fazendo parecer que o jogo será fácil graças a elas. Opinião essa que muda ao decorrer do game. Em relação ao enredo, em sua "primeira metade" é muito bem desenvolvido, cruzando histórias das cidades e reinos. Já a "segunda metade" se mostra inferior nesse aspecto, te empurrando para a finalização do game.

  • Foto de Cauã Lisboa Cauã Lisboa
    no
    SNES
    há 2 meses

    Esta análise contêm spoilers

    A trilha sonora deste game fora aparecer no momento certo ainda possui um ritmo tão bom que dá para se ouvir sozinho enquanto faz outra coisa, sua jogabilidade é bem única compara até mesmo os JRPG's de hoje em dia com cada personagem podendo ter algo que como habilidade o torna bem diferente e novo ao mesmo tempo que o faz se aproximar quando é ouvido sua trilha sonora que cada um possui sua própria e mostra bem sua personalidade nelas, sua história possui um desenrolar perfeito mostrando como cada personagem lida com situações pesadas e tristes e claro além disso sua rolê play é salva pela trilha sonora que não te entedia quando está buscando o objetivo por ser bem diversificada e mudar no momento certo e além disso os mais de 10 personagens possuem desenvolvimento momentos próprios e reações muito bem características. World of Balance: A primeira parte é a que faz você amar o jogo por conta da história e relações dos personagens onde cada um demonstra bem o quanto são opostos mas precisariam trabalhar juntos para derrotar o Vilão que é outro ponto positivo neste começo, e claro aqui possui a primeira variação de personagens ( que é bem extensa porém boa) do game mostrando em boa parte do tempo como seu personagem favorito está agindo no momento. O World of Ruin: A segunda parte do jogo faz você ver o lado de cada personagem que não fazia ideia que veria, alguém focado se distraindo pois sua depressão retornou, a mais nova do grupo não se entregando a tristeza e mais desenvolvimento para os personagens, neste ponto o jogo é um mundo aberto muito bom pois cada cidade teve uma reação diferente apois o fim dos tempos, e a liberdade é o que compra nesta parte você pode ir enfrentar o chefe final ou explorar, e te garanto se já chegou até aqui sabe o quanto este mundo é vasto e trata obre temas muito bem pensados e tenho que parabenizar a luta final, o vilão ganha nossa atenção na pirrimeira parte mas aqui ele brilha em sua brilhante e teatral luta final. Se está se perguntando qual versão jogar comece pela a do Snes e se quiser rejogar o GBA é mais perfeito por conta da sua inclusão de mais partes adicionais. Para quem curte um JRPG old School que usa certas coisas dos mais atuais este é o game perfeito para você porém não é a melhor opção para iniciantes. E além disso faz o mais importante em uma game divertir o jogador, coisa que aparece que boa parte dos games atuais andam esquecendo.

  • Foto de Pedro Rocha Vaz Pedro Rocha Vaz
    no
    SNES
    há 4 anos

    Simplesmente o melhor RPG da era 16 bits. Audio fantástico para o hardware da época com músicas compostas pelo mestre Nobuo Uematso. Enredo mais complexo, intrigante e cheio de surpresas já visto até então. Gráficos tradicionais, mas muito bem feitos para um jogo da quarta geração. A jogabilidade ganha, no sistema de batalhas em turno, bastante com as habilidades únicas de cada personagem, e o sistema de magias mais complexo. A história desse jogo vai te prender do início ao fim.

Discussões

Seja o primeiro a criar uma discussão

Nota do Game

Nos acompanhe!