Critérios de Avaliação

Áudio
Visual
Jogabilidade
Campanha
Diversão

Compartilhe:

Sobre

Brutal Legend é um jogo de ação em terceira pessoa que faz uma paródia do universo do Heavy Metal. O jogo possui mundo aberto e o jogador controla Eddie Riggs, um roadie que se vê preso num mundo fantástico do Heavy Metal. O título traz grandes nomes do cinema e da música.

Análises (2)

Avalie o jogo para escrever uma análise

  • Foto de Nicholas Rubim Nicholas Rubim
    no
    PS3
    há 1 ano

    Uma homenagem e presente a todos os grandes fãs de heavy metal, com uma história divertidíssima e uma campanha que, apesar de um pouco repetitiva, cumpre bem o seu papel. A gente se sente na pele do Jack Black enfrentando demônios com o poder do metal. O mundo aberto do jogo é diversificado e tem centenas de coletáveis, e acreditem se quiser, mas o jogo tem grandes reviravoltas e a trama dele é muito bem trabalhada. E o que falar da trilha sonora? Simplesmente impecável, conta com mais de 100 faixas de músicas licenciadas, além da trilha original pro jogo. Dentre as faixas temos SuperBeast do Rob Zombie, Painkiller de Judas Priest, The Metal de Tenacious D (Claro, se tem Jack Black não pode faltar Tenacious D), Mr: Crawley de Ozzy Osbourne e etc.. Falando no Ozzy, ele seria como a firekeeper de Dark Souls 3, ele é o guardião do Metal e é com ele que a gente faz os upgrades, e acreditem, são MUITOS upgrades disponíveis, incluindo as armas que a gente coloca no carro. A direção artística do jogo é nota 10 e conta com muitas estrelas do Rock, como o Lemmy Kilmister do Motorhead (R.I.P) e pra mim foi um dos jogos injustiçados da sétima geração de consoles, mereceu muito mais reconhecimento do que de fato teve. Se você curte um jogo de ação em mundo aberto e com muito heavy metal, esse jogo é pra você!

  • Foto de Luiz Cesar Luiz Cesar
    no
    Win
    há 1 mês

    Engraçado que o jogo pinta ser um 'hack and slash' no começo, muito por sinal, mas deixa um pouco de lado ao decorrer, mesmo com upgrades de armas e comandos. Já na terceira ou quarta missão, torna-se um 'Overlord', de ficar controlando 'minion' do metal, cômico. A partir marrom menos da metade até zerar vira um RTS com pegada 'Tower Defense', tipo Scott Pilgrim em derrotar ex-malvado com palco x palco, tu solta teus monstros, o inimigo solta os monstros, e o pau come solto pelo campo de batalha. O mundo aberto aparentava ser um Far Cry, mas é sem vida e mal aproveitado, muitas vezes tu fica enroscado no cenário, sem variedade de monstros (pelo menos tinha interação), com missões secundárias repetitivas; derrotar hordas (no braço, com carro e explosão) e corridas (são dahoras mas a física irrita as vezes), até nas principais, quase se resumem em proteger comboio e duelo de palcos, quase desisti de zerar, pois vinha sequência massante de batalha com mesma fórmula, que só mudava o cenário. A história é interessante, as cinemáticas são bem produzidas, uma bela dublagem dos grandes metaleiros, variedade enorme de músicas, Ozzy Osbourne surgindo como o Guardião do Metal é muito bom. Me conquistou quando tocou Scorpions - Holiday na ceninha fofinha com meu amor, deixa de lado toda a brutalidade. As lutas alá God of War são insanas, podendo desmembrar os meliantes. Algumas batalhas são realmente empolgantes e dão gosto de jogar, e tem o grandíssimo Jack Black.

Discussões

Seja o primeiro a criar uma discussão

Entre no nosso servidor do Discord