Critérios de Avaliação

Áudio
Visual
Jogabilidade
Diversão

Nota da Crítica

Baseada em 5 avaliações

Nota Agregada

Baseada em 8 avaliações

Compartilhe:

Mídia

Trailer

Análises (1)

Avalie o jogo para escrever uma análise

  • Foto de Super-EuF Super-EuF
    no
    PS4
    há 11 meses

    Sou fã dos primórdios jogos da SNK (desde KoF 94 até o KoF XIV) e tentarei ser o mais justo possível em minha análise. Imagino que os reviews atuais estejam se baseando mais em nostalgia dos jogadores do que em avaliação técnica, primeiramente tomando por base o KoF XIV, este sim o jogo inicial que migrou a franquia KoF do 2d para o 3d. Deixo claro aqui que não devemos ter pena da empresa SNK eternamente e apenas aceitarmos tudo que ela nos entrega de qualquer maneira - o jogo teste foi o XIV, os próximos deveriam ter a obrigação de serem melhores. Como pontos positivos destaco: o retorno de alguns lutadores clássicos [Chizuru, trio New Faces (agora com nome "Orochi"), K9999 (com novo nome)]; mudanças mínimas na jogabilidade com o Shatter Strike, mas não tão impactantes assim; 2 barras de estouro; uso do Rush Combo, apesar de que acharia melhor uma opção para habilitá-lo ou não; gráficos melhores devido ao uso da Unreal Engine; personagens maiores na tela; apresentação de cada cenário antes da luta; e o sistema de netcode Rollback. Quem pegar este KoF XV irá se divertir bastante num contra versus ou online. Já como pontos negativos eu destaco a falta de participação de personagens brasileiros. Não temos Nelson, Bandeiras, Marco Rodrigues, Bob Wilson ou Richard Meyer para representar a grande fan base tupiniquim; porém em compensação temos 3 mexicanos, 3 francesas, entre outros. A SNK teria mudado a estratégia de utilizar times por região, mas alguns finais secretos nos mostram o contrário... A estreia das novatas Isla e Dolores não nos dá um ar de novidade e apenas 5 novatos que estreiaram no XIV estão de volta. Além disso há uma diminuição na quantidade de personagens em relação ao XIV (de 52 para 39 - 41 somando os outros dois chefes); e há uma disparidade também na escolha dos participantes deste XV: 12 de Fatal Fury (incluindo os 2 times iniciais vendidos por DLC) e apenas 4 de Art of Fighting. É bom também abandonarmos as ideias sugeridas nos finais do KoF XIV: volta do time South America; Marco Rodrigues lutando juntamente com Ryo Sakasaki, Tung Fu Rue deixando seus dois pupilos mais novos com algum discípulo mais velho; ficou uma confusão!!! Apenas o time do Ash que tem formação indicada no final do jogo do XIV está de volta, e mesmo assim o Kukri não tem ligação com a saga Ash (2003, XI e XIII). Com esta ideia e com a experiência recebida não devemos aceitar os finais do atual KoF XV como uma verdade absoluta para um próximo jogo. Além disto gráficos, cinemáticas e história estão muito, mas muito próximos da versão XIV. Aqueles pequenos detalhes ficaram faltando: como uma torcida ao fundo; ou ao menos 3 NPCs de jogos da SNK nos cenários (alguns cenários não tem nem pessoas ao fundo); um cenário pra cada time (inclusive alguns cenários se repetem no decorrer da mesma batalha até chegar ao final de algum time e sem ter aquela mudança climática que acontecia em Fatal Fury e KoF 2002); músicas mais marcantes (as do XIV são melhores - e o jogo ainda tem uma opção de desbloquear músicas em sua maioria OST - aquelas de arcade MVS mesmo - sem ser possível habilitar as AST - arranjadas); descuido graficamente falando com alguns personagens (King/Whip e Art of Fighting); e falta de 2 times clássicos (Kim e Psycho Soldiers) dão a ideia de que algo está faltando na entrega deste KoF XV. Apesar do jogo ter seus altos e baixos penso que uma nota abaixo de 6.0 não seria justo com o trabalho entregue e uma nota acima 8.0 eu já estaria concordando com tudo que foi repassado ao consumidor pela SNK, inclusive a maioria de golpes/clímax e modelos 3d que foram migrados para a Unreal Engine (A SNK teve quase 6 anos de desenvolvimento para nos trazer o KoF XV). Para finalizar, a venda de mais 2 times por DLC antes do jogo ser lançado nos dá a impressão de que o jogo base deveria ter vindo com tais personagens, que inclusive 4 destes participaram do XIV e podem vir bem parecidos com os do jogo lançado anteriormente. Não esqueçam de ver a surpresa desagradável de Marco Rodrigues no final do Art of Fighting team!!!

Discussões

Seja o primeiro a criar uma discussão

Entre no nosso servidor do Discord