Análises de Vitor Pegorer

12 análises
  • Capa de God of War God of War
    no
    PS4
    há 8 meses
    Os fãs da trilogia original podem se preparar pra levar um tapa na cara com esse titulo. Santa Monica decide fazer um "mundo aberto" mas a movimentação é tão ruim, lenta e limitada que fica um gosto amargo ao tentar explorar. A repetição de inimigos, bosses, linearidade/ claustrofobia do mapa estilo corredorzinho simulator também acaba com a experiência. O fato de o jogo inteiro só ter 2 armas contra 5 do Gow2 e 4+do Gow 3 também é ridículo. Os puzzles são patéticos comparados aos puzzles de todos outros jogos da série. Trocar o combate incrivel de gow 2 e 3 por essa versão capada do combate de dark souls também foi uma péssima ideia. E por último gostaria de deixar registrado que essa camera colada nas costas do Kratos estilo the last of us não combina nem um pouco com esse jogo.
  • O jogo é bom mas tem problemas. Assassins Creed Odyssey apresenta uma relativa melhoria no combate quando comparado aos jogos anteriores da franquia, a hitbox por exemplo é de fato melhor que no Origins, porém, no que diz respeito ao uso de arco e flecha e principalmente ao STEALTH é um enorme retrocesso para a franquia e é devido a isso que fica repetitivo e cansativo bem rápido. Várias opções de stealth tanto no quesito de se esconder como no quesito assassinar não estão presentes nesse jogo. Só para se ter noção nem sequer é possivel se esconder nos montes de feno nesse jogo. Outro problema grave são os "poderzinhos" no jogo, por exemplo o golpe teleporte e ficar invisível. De forma geral é um jogo bom mas não tem nem sombra de Assassin's Creed, o stealth podre, a grotesca perda de identidade bem como a falta dos 5 tipos diferentes de arco do Origins são aspectos negativos que incomodam bastante nesse jogo.
  • O jogo tem um visual muito bonito para a época em que foi lançado, retrata Roma do renascimento de forma maravilhosa, com todos os seus belíssimos pontos turísticos. Em termos de jogabilidade/gameplay ele basicamente usa as mesmas mecânicas de Assassins Creed 2, porém de forma mais polida e mais suave, os controles são mais responsivos e de forma geral o jogo flui melhor, o que me faz preferir este jogo a Assassins 2. A interação forte com figuras históricas famosas como Leonardo Da Vinci, Nicolau Maquiavel e a Família Médici contribui para tornar esse jogo uma experiencia inesquecível. O arsenal vasto com várias espadas, maces, adagas, sabres, greatswords, machados, besta/crossbow, dardos envenanados, bombas de fumaça e etc... somados a versatilidade do Ezio tornam esse AC a experiência mais prazerosa da série. Ele continua a história de Assassins 2 de forma brilhante, inova com o sistema excelente de recrutar e treinar assassinos para te ajudar e traz todas as correções e melhorias de que seu antecessor precisava fazendo deste título O melhor assasssins creed.
  • Capa de Mafia III Mafia III
    no
    PS4
    há 2 anos
    A trilha sonora do jogo é o único aspecto que dá para elogiar. Esse jogo é basicamente um GTA ou Saints Row composto só pelas missões secundárias. O jogo consiste em fazer sidequests pela cidade pra conquistar território só isso. A historia nem é tão boa, o protagonista não tem carisma e os outros personagens são extremamente ausentes e pouco carismáticos também. Que jogo chato. O arsenal pequeno e a jogabilidade limitada também estragam ainda mais esse lixo. Tem como andar abaixado para tentar ser "furtivo/stealth" mas o jogo é tão fácil e o stealth é tão mal feito que nem vale a pena. Enfim, não compre, não baixe, não alugue, não jogue.
  • Capa de Final Fantasy XV Final Fantasy XV
    no
    PS4
    há 2 anos
    A trilha sonora do jogo é fenomenal, uma das melhores até o momento sem dúvidas. Visualmente o jogo também impressiona. É muito bonito, os cenários, os monstros, as armas, e os personagens me agradaram muito. O gameplay excelente, suave e inovador com o protagonista Noctis é o ponto mais forte do jogo. O problema do jogo é sua campanha, que ofusca todo esse brilho. As sides são extremamente genéricas, salvo por algumas quests de caçador que são bem legais. Mas a história principal é o que realmente destrói o jogo. Não tem como falar muita coisa sem dar grandes spoilers, por isso direi apenas que : É curta, corrida, quase nada é explicado, não se trabalha bem os personagens, nem um pouco desafiadora, enfim, muito fraca diferente do que se espera de um final fantasy. O jogo tem apenas duas horas de cutscenes, precisava de pelo menos mais umas 4 para fazer algum sentido. Muitos aspectos centrais da plot ficam sem explicação, eles até colocam umas anotações tentando explicar mas sinceramente não cola.
  • Capa de Dark Souls III Dark Souls III
    no
    PS4
    há 2 anos
    Um jogo curto que sofre com a falta de originalidade e identidade própria, não há maneira melhor de descrever Dark Souls 3. Trata-se de mistura entre bloodborne e dark souls 1, os dois títulos mais queridos dos fãs da série, parece um conto de fadas ou um sonho realizado, mas a realidade logo vem bater a porta. O level design deixa muito a desejar pouco se diferenciando de dark souls1 mas ao mesmo tempo é um pouco mais "enfeitado" para tentar chegar aos pés de Bloodborne. Isso deveria ser algo positivo, mas a mesmice é tanta que deixa o jogo enfadonho, não há nenhuma fase que se diferencie do que já vimos em dark souls 1 e 2. Ele traz de volta várias armas e armaduras de dark souls1, o que também poderia ser algo positivo se não fosse pela falta de armas e armaduras novas e exclusivas de dark souls 3, não há quase nada de novo, nada que o jogador já não tenha visto em dark souls 1. Isso para não falar nos inimigos, chefes, subchefes e mobs. Eles possuem um design pouco original/pouco diferente do que já vimos em dark souls 1, o jogo inclusive reaproveita mobs de dark 1 e 2, como os black knights, os silver knights, os drakeblood knights entre outros. E os inimigos q não reaproveitados de dark 1 e 2, são reaproveitados de bloodborne, mesmo move set,apenas outra skin. A trilha sonora do jogo é medíocre se comparada a dark 1 e bloodborne, especialmente bloodborne. Os pouquíssimos chefes que o jogo tem também são ruins, com design fraco, lore ainda pior, e nenhuma originalidade o único chefe minimamente interessante e desafiador, nameless king, é um chefe opcional. Um dos chefes principais da história, Yorhm, the Giant, não passa de uma cópia esdruxula de uma boss fight de Demon Souls, Storm King. O jogo ainda conta com o pior chefe de toda série, Deacons of the deep. Se for para fazer um jogo com tão poucos chefes que tal não disperdiçar fazendo um chefe tão ruim. Alguns mapas podem até ser grandinhos, mas o jogo desperdiça muito espaço, vide smoulderig lake, cathedral of the deep, farron keep por exemplo. Os mapas são tão mal aproveitados que chega a incomodar e nenhum consegue ser tão belo e detalhado como os mapas de Bloodborne. A uníca coisa que dá pra elogiar no jogo é a movimentação do seu personagem no jogo que é bem melhor e mais suave que dark souls 1 e 2, bem semelhante a movimentação de dark souls 1, porém melhor em todos os aspectos. As weapon arts também são uma adição legalzinha, mas que não se compara as trick weapons, as hunter tools e as armas de fogo de Bloodborne que foram uma verdadeira revolução sensacional e sem precedentes. Outro problema gravíssimo do jogo é que não ocorre nenhuma mudança no new game +, ao contrário de seus antecessores dark 1 e 2 em que apareciam novos inimigos, dark phantoms etc. Em bloodborne o player pelo menos não sentia esse problema graças as severas alterações que o jogo sofre de acordo com a quantidade de insight do seu personagem. Em suma o jogo é curto, não traz nenhuma novidade e sofre com uma terrível falta de identidade própria, não se destaca de nenhuma forma e não supera nenhuma de seus antecessores em qualquer aspecto, nem demon souls, nem dark 1, nem dark 2 e muito menos bloodborne. É o título mais fraco da fromsoftware até o momento.
  • O enredo é extremamente fraco comparado com o primeiro jogo e o level design é tosco e extremamente linear. A hit box totalmente zoada/mal feita e a mecânica de soul memory terminam de foder com o jogo. Como se tudo isso não fosse suficiente os produtores lançaram um monte de patches(atualizações) de correção que deixaram o jogo ainda mais sem graça, inviabilizando várias builds e criando uma certa isonomia entre as armas do game e que não corrigiram os reais defeitos e bugs do jogo.
  • Capa de The Last of Us The Last of Us
    no
    PS3
    há 3 anos
    A história é excelente e envolvente assim como a maneira como ela é narrada. O gráfico é lindo. A possibilidade de fazer upgrades nas armas e no personagem adicionam muita profundidade ao gameplay já muito variado que já consegue entreter durante toda a duração da campanha singleplayer. Quem tem ps3 ou ps4 tem no mínimo a obrigação de conferir esse game
  • Capa de Bloodborne Bloodborne
    no
    PS4
    há 3 anos
    Uma obra prima que condensa tudo de melhor que o gênero dark fantasy tem a oferecer. Os chefes são todos únicos, inesquecíveis e combinam com a lore(história) e com a atmosfera do game. As trick weapons são uma inovação fantástica assim como as Hunter tools. O combate rápido, dinâmico e brutal alivia os jogadores cansados da movimentação travada de dark souls 2. A soundtrack do jogo é perfeita e o level design merecia ser consagrado como um dos melhores da história.
  • Apesar de ser relativamente linear consegue ser um dos melhores jogos de tiro já produzidos. Através de fazes extremamente dinâmicas e variadas os produtores do game conseguiram fazer um game que prende sua atenção durante todo o gameplay. O gráfico é lindo, o entendo fantástico e o game nota 10.

Nota do Game

Nos acompanhe!