Últimas Avaliações

Últimas Análises

  • Capa de Monument Valley Monument Valley
    no
    And
    em 14 de abril de 2019 às 11:37
    Com uma jogabilidade utilizando o touch do celular, Monument Valley surpreende com formas geométricas e ilusão de ótica com o intuito de levar a princesa Ida de um ponto a outro de um jeito diferente, esteja preparado para esquecer as leis da física. A campanha principal, com o nome de "Em Busca por Perdão", possui 8 fases, cada uma delas com estágios próprios não muito longos, mas com puzzles que podem te prender por um tempo, mesmo a forma correta de passar estando bem diante dos seus olhos. A história em si é simples, mas não muito explicada, o jogo possui poucos diálogos e mais gravuras nas paredes das fases tentando mostrar o que está acontecendo e porque a princesa Ida precisa de perdão. Também é possível jogar uma fase extra chamada "Ida's Dream, uma aventura solitária", onde Ida passa por 5 estágios e encontra um velho amigo da campanha principal. Caso a vontade de jogar ainda esteja no auge, apenas compre a DLC "Forgotten Shores", que como o próprio jogo diz, libera oito novos capítulos mágicos. Essa DLC considero mais difícil do que as fases originais, os Puzzles estão ainda mais complexos, uma pena a história não acrescentar muita coisa, mas ainda sim não vai se arrepender. A trilha sonora é bem relaxante quando se joga com fones de ouvido, trás uma sintonia com o jogo sem igual. Quando é feito os movimentos possiveis com as formas geométricas, ouve-se um tom de piano que em alguns estágios trás um toque a mais para a música, assim melhorando ainda mais a trilha sonora. Uma opção interessante que o jogo disponibiliza é o modo foto, que com os monumentos bonitos e coloridos que o jogo possui, as fotografias ficam ótimas como papel de parede do celular. Em algumas fases ao dar Zoom é possível ver o jogo mais pixelado, prejudicando o print Monument Valley se destaca no meio de tantos jogos Pay to Win nas lojas Play Store e Apple Store, merecia ser jogado em 2014 quando foi lançado e hoje, anos depois ainda vale muito a pena jogar.
  • Capa de Mega Man Mega Man
    no
    NES
    em 10 de abril de 2019 às 15:27
    O mundo estava em paz, os humanos conquistaram várias tecnologias pra ajudar no dia a dia. Dois cientistas, Dr. Willy e Dr. Light, criadores principais da série de robôs que ajudam os humanos em construções e usinas elétricas, até mesmo nas áreas mais frias. Até que um dia Dr. Willy traiu a todos e usou esses robôs para o mal, tentando conquistar o mundo. Resta apenas uma salvação, um robô que pode salvar o mundo das garras do Dr. Willy, foi criado pelo Dr. Light, o nome dele é Mega Man. No início do jogo é possível escolher entre 6 fases, cada uma delas com estilos diferentes, entre gelo, fogo, eletricidade, entre outras. No quesito jogabilidade em cada fase, o personagem derrapa um pouco a cada parada, mesmo não estando na fase do gelo, levando a mortes por pequenos vacilos em precipícios e até mesmo na hora de um pulo mais preciso como na fase do Gutzman e Iceman. Nos 6 primeiros chefes é possível obter as armas de cada um deles, tanto para ajudar no decorrer das fases ou até mesmo para derrotar mais facilmente outros chefes, já que cada um possui uma fraqueza com a arma do rival, assim podendo facilitar um pouco o jogo, mas caso não saiba a sequência ou só queira dificultar mais as coisas, só vá na fé. Mega Man não é um jogo impossível, só é necessário prática, mas um problema pra quem joga de pouco a pouco é que não existe Password, então significa que se ligar o jogo, vai precisar terminar em uma jogada. Mas calma, o jogo não tem 30 horas, no maximo entre 1 e 3 sem muita prática é possível terminar. Apenas uma coisa, torça para não ter algum pico de energia em pleno final do jogo (já aconteceu comigo) Pela limitação do NES, Mega Man tem seus momentos onde tem vários inimigos, o jogo tem lags, não acontecendo isso próximo de buracos da pra relevar tranquilo. Algo da época que foi implantado no primeiro Mega Man é o sistema de pontos, igual aos jogos de Arcade e Atari, onde o que importava era ter a maior pontuação gravada na máquina. O complicado é chegar ao final do jogo com a primeira "ficha", já que se der o Game Over os pontos zeram, mas calma, não vai reiniciar o jogo inteiro. Mega Man foi criando em 1987 e hoje em 2019 ainda é possível jogar, até melhor do que muitos jogos lançados anos depois.
  • Capa de Pokémon Alpha Sapphire Pokémon Alpha Sapphire
    no
    3DS
    em 08 de abril de 2019 às 20:44
    Pokémon Alpha Sapphire faz jus à franquia, é um ótimo Remake e surpreende muito nos gráficos assim como o seus antecessores X/Y. O único problema em questão gráfica é ao ativar o modo 3D do console que leva a quedas de Frame, tanto nas batalhas, mas um pouco menos nas cutscenes. Os efeitos sonoros dos Pokémons são bem básicos, nada muito diferente das versões antigas, agora as músicas são muito animadas, principalmente contra a equipe Aqua e os Rivais. A história contém algumas diferenças das versões originais, mas nada muito extraordinário antes da Elite dos 4. Após é possível jogar um capítulo a mais do jogo, uma história com Rayquaza e outro Pokémon especial. A dificuldade da jornada não é alta, isso graças a um dos itens que ganha logo no início do jogo, Exp. Share, uma das maiores apelações do mundo Pokémon. Caso queria aumentar a dificuldade, apenas jogue com esse item desligado. Pokémon Alpha Sapphire vale a pena ser jogado, tanto pra quem é fã da franquia, tanto pra quem acabou de pegar um 3DS e está conhecendo agora os monstrinhos.

Nota do Game

Nos acompanhe!