• Um jogo para ser Sherlock Holmes, mas no caso no corpo da brabíssima Kathy Rain. O jogo tem uma excelente narrativa investigativa, com vários diálogos entre personagens, de personalidades distintas, combinações elaboradas de itens, os 'puzzles' são de fácil-médio resolução, com memória fotográfica fica easy do easy, melhor parte é mexer com sistema de programação dentro de um computador, isso que já é de se bater na vida real e o pixel art muito bem trabalhado/construído, com belos cenários.


  • Como um fã da franquia e considerando que alguns dias completa 12 anos no Steam, foi uma boa experiência, relembrar alguns lugares/cenários desse universo, apesar que são bem pequenos, mas infestado de itens; criando, destruindo ou coletando. Para quem viu os filmes, pegam alguns trechos marcantes, mas se tratando de LEGO, deixa algumas cenas abobadas e toscas.

  • Capa de Brutal Legend Brutal Legend
    no
    Win
    há 1 mês

    Engraçado que o jogo pinta ser um 'hack and slash' no começo, muito por sinal, mas deixa um pouco de lado ao decorrer, mesmo com upgrades de armas e comandos. Já na terceira ou quarta missão, torna-se um 'Overlord', de ficar controlando 'minion' do metal, cômico. A partir marrom menos da metade até zerar vira um RTS com pegada 'Tower Defense', tipo Scott Pilgrim em derrotar ex-malvado com palco x palco, tu solta teus monstros, o inimigo solta os monstros, e o pau come solto pelo campo de batalha. O mundo aberto aparentava ser um Far Cry, mas é sem vida e mal aproveitado, muitas vezes tu fica enroscado no cenário, sem variedade de monstros (pelo menos tinha interação), com missões secundárias repetitivas; derrotar hordas (no braço, com carro e explosão) e corridas (são dahoras mas a física irrita as vezes), até nas principais, quase se resumem em proteger comboio e duelo de palcos, quase desisti de zerar, pois vinha sequência massante de batalha com mesma fórmula, que só mudava o cenário. A história é interessante, as cinemáticas são bem produzidas, uma bela dublagem dos grandes metaleiros, variedade enorme de músicas, Ozzy Osbourne surgindo como o Guardião do Metal é muito bom. Me conquistou quando tocou Scorpions - Holiday na ceninha fofinha com meu amor, deixa de lado toda a brutalidade. As lutas alá God of War são insanas, podendo desmembrar os meliantes. Algumas batalhas são realmente empolgantes e dão gosto de jogar, e tem o grandíssimo Jack Black.

  • Capa de Spec Ops: The Line Spec Ops: The Line
    no
    Win
    há 1 mês

    Jogo INSANO de guerra, ambientado numa Dubai sendo engolida pela areia, cenário todo caótico, com partes destrutivas, mortandade rolando solto e tempestades de areia épicas. A história é muito boa, tendo várias cinemáticas, delírio total por parte do protagonista, alguns capítulos são deslumbrantes.

Ler todas as análises (172)

Entre no nosso servidor do Discord