Análises em Destaque

  • Capa de Real Bout Fatal Fury Foto de William Alves para Real Bout Fatal Fury
    no
    Arc
    em 06 de fevereiro de 2019 às 10:39
    Real Bout Fatal Fury é um verdadeiro clássico da saga, é uma versão (bem) melhorada de Fatal Fury 3, com mais personagens e sistema de mudança de planos simplificado em relação ao jogo anterior. Antes em Fatal Fury 3 para se mudar de planos, era preciso apertar os botões A e B ou B e C. Em Real Bout, basta usar o direcional + D, o que facilitou as coisas. A jogabilidade é perfeita e os controles respondem muito bem. Real Bout também trouxe o sistema de "ring out", ou seja: caiu fora do cenário, perdeu a luta. Também introduziu na série os golpes secretos diferenciados, mais fortes do que os golpes secretos normais, que estão disponíveis com a barra de energia piscando e a barra (sim, agora ela existe) de golpes cheia. Os cenários são relativamente simples, mas muito benfeitos. Muitas animações dos personagens e sprites bem detalhados, como de praxe no Neo Geo. As músicas são impecáveis, sobretudo na versão para Neo Geo CD. Se ainda não o jogou, corra! O jogo vale cada centavo investido. É um dos melhores jogos do Neo Geo e, na minha modesta opinião, o melhor de todos os Fatal Fury's.
  • Capa de Kizuna Encounter Foto de Fabio Junio Carvalho para Kizuna Encounter
    no
    Arc
    em 15 de abril de 2019 às 12:03
    Sequência direta de Savage Reign, também para Neo Geo, Kizuna Encounter modifica totalmente a jogabilidade do jogo anterior, retira dois lutadores, acrescenta mais dois (Kim e Rosa), e inova bastante com a jogabilidade Tag - que pode ser feita numa área restrita do cenário (algo que aconteceu no mesmo ano e mês com X-Men vs Street). O jogo abandona os planos de luta do antecessor (algo que era interessante), inclui mais combos e acrescenta tudo que deu certo em Art of Fighting (zoom, tamanho dos personagens e destruição das armaduras/uniformes), Fatal Fury (combos) e King of Fighters (esquiva) - e armas de Samurai Shodown. Kizuna Encounter - Super Tag Battle - é o melhor da franquia, inova com o sistema Tag e ainda nos oferece os dois chefões via código. Boa música, jogabilidade fluida e obrigatório para os fãs de luta. Obs. Perdeu um dos seus lutadores já era
  • Capa de Monument Valley Foto de Só queria zerar um joguinho para Monument Valley
    no
    And
    em 14 de abril de 2019 às 11:37
    Com uma jogabilidade utilizando o touch do celular, Monument Valley surpreende com formas geométricas e ilusão de ótica com o intuito de levar a princesa Ida de um ponto a outro de um jeito diferente, esteja preparado para esquecer as leis da física. A campanha principal, com o nome de "Em Busca por Perdão", possui 8 fases, cada uma delas com estágios próprios não muito longos, mas com puzzles que podem te prender por um tempo, mesmo a forma correta de passar estando bem diante dos seus olhos. A história em si é simples, mas não muito explicada, o jogo possui poucos diálogos e mais gravuras nas paredes das fases tentando mostrar o que está acontecendo e porque a princesa Ida precisa de perdão. Também é possível jogar uma fase extra chamada "Ida's Dream, uma aventura solitária", onde Ida passa por 5 estágios e encontra um velho amigo da campanha principal. Caso a vontade de jogar ainda esteja no auge, apenas compre a DLC "Forgotten Shores", que como o próprio jogo diz, libera oito novos capítulos mágicos. Essa DLC considero mais difícil do que as fases originais, os Puzzles estão ainda mais complexos, uma pena a história não acrescentar muita coisa, mas ainda sim não vai se arrepender. A trilha sonora é bem relaxante quando se joga com fones de ouvido, trás uma sintonia com o jogo sem igual. Quando é feito os movimentos possiveis com as formas geométricas, ouve-se um tom de piano que em alguns estágios trás um toque a mais para a música, assim melhorando ainda mais a trilha sonora. Uma opção interessante que o jogo disponibiliza é o modo foto, que com os monumentos bonitos e coloridos que o jogo possui, as fotografias ficam ótimas como papel de parede do celular. Em algumas fases ao dar Zoom é possível ver o jogo mais pixelado, prejudicando o print Monument Valley se destaca no meio de tantos jogos Pay to Win nas lojas Play Store e Apple Store, merecia ser jogado em 2014 quando foi lançado e hoje, anos depois ainda vale muito a pena jogar.
  • Capa de Pokémon Alpha Sapphire Foto de Só queria zerar um joguinho para Pokémon Alpha Sapphire
    no
    3DS
    em 08 de abril de 2019 às 20:44
    Pokémon Alpha Sapphire faz jus à franquia, é um ótimo Remake e surpreende muito nos gráficos assim como o seus antecessores X/Y. O único problema em questão gráfica é ao ativar o modo 3D do console que leva a quedas de Frame, tanto nas batalhas, mas um pouco menos nas cutscenes. Os efeitos sonoros dos Pokémons são bem básicos, nada muito diferente das versões antigas, agora as músicas são muito animadas, principalmente contra a equipe Aqua e os Rivais. A história contém algumas diferenças das versões originais, mas nada muito extraordinário antes da Elite dos 4. Após é possível jogar um capítulo a mais do jogo, uma história com Rayquaza e outro Pokémon especial. A dificuldade da jornada não é alta, isso graças a um dos itens que ganha logo no início do jogo, Exp. Share, uma das maiores apelações do mundo Pokémon. Caso queria aumentar a dificuldade, apenas jogue com esse item desligado. Pokémon Alpha Sapphire vale a pena ser jogado, tanto pra quem é fã da franquia, tanto pra quem acabou de pegar um 3DS e está conhecendo agora os monstrinhos.
  • Capa de World Heroes Perfect Foto de Fabio Junio Carvalho para World Heroes Perfect
    no
    Arc
    em 08 de abril de 2019 às 20:00
    World Heroes Perfect tem dois níveis de especiais (SDM), um com a barra HERO cheia (o mais forte) e outro com a energia piscando (a energia começa a piscar quando chega no meio da barra de energia - diferente de outros jogos que ocorre no final da barra); um golpe mais forte com a barra HERO cheia; 4 provocações; segredos nos cenários para se lutar contra Son Gokuu; e códigos para habilitar outros lutadores (como o Gokuu). Além disto tudo os personagens olham para o alto quando o adversário pula e para baixo quando o oponente está abaixado - o que veio a acontecer somente nos jogos 3D que vieram em sequência. Para mim um jogo completo.
  • Capa de Counter-Strike: Global Offensive Foto de Adonay Rocha para Counter-Strike: Global Offensive
    no
    Win
    em 31 de março de 2019 às 13:13
    Omg Cs:GO esse grande FPS de 2002 até hoje nos tópicos, seu visual não é muito bonito pelo jogo ser de 2002 sua trilha sonora esta bem legal, ele é bem divertido e possui uma grande variedade de Skins, tem uma jogabilidade incrível, vale muito a pena, ele te garante um treinamento a todos os outros jogos de tiro que você jogar.
  • Capa de Crash Bandicoot N. Sane Trilogy Foto de Leonardo Oliveira Cardoso para Crash Bandicoot N. Sane Trilogy
    no
    PS4
    em 31 de março de 2019 às 03:55
    O jogo ficou muito fiel aos games clássicos, tive o prazer de zerar todos na época e agora essa maravilha de remake, as músicas, os personagens, os cenários, tudo refeito com os gráficos atuais de maneira linda, parabéns aos desenvolvedores e produtores, Crash é demais! Um game épico para um personagem mais épico aínda.
  • Capa de DOOM Foto de Felipe Freitas para DOOM
    no
    One
    em 29 de março de 2019 às 18:33
    Um retorno digno da mais famosa e importante franquia de jogos de tiro de todos os tempos. O enredo, apesar de pouco aprofundado, é convincente, coeso e bem explicado durante o jogo e, como na primeira versão, serve perfeitamente de fundo para a carnificina brutal e incomparável de DOOM. Os gráficos estão muito bonitos, com texturas muito realistas e de excelente qualidade, além da imersão do game, dos efeitos incomparáveis de luz, sombra e partículas. Mas, na minha opinião, os grandes diferenciais estão na ação frenética, no ritmo alucinante dos combates, no design fodástico e assustador dos demônios e nos padrões de ataque ultra-brutais deles. Os seres do inferno estão mais rápidos, ardilosos, impiedosos e brutais do que nunca! Mas, como a voz no início da campanha nos assegura, VOCÊ (O JOGADOR) VAI SER PIOR. O executor da perdição ou Doom Slayer está mais carniceiro, furioso e violento do que em todas as outras versões! O cara simplesmente é uma força destrutiva praticamente impossível de ser parada ou detida. Com razão os demônios se cagam, peidam e mijam de medo dele como podemos ver nos testamentos que ouvimos no inferno ao tocarmos aquelas coisas estranhas com um simbolo verde brilhando que emite uma voz cavernosa e apavorante narrando a história do andarilho do inferno. A trilha sonora é uma das mais inacreditáveis criações que eu já ouvi. Nunca ouvi uma parte sonora melhor num game de tiro. Ela parece evocar toda aquela realidade aterrorizante, neurótica, brutal e caótica que o Doom guy vivencia no jogo. Uma mistura de vários estilos, com um violento metal industrial com partes de corais líricos cantando algo demoníaco, provavelmente em latim e também algumas partes atmosféricas de terror, lembrando a parte musical do Doom 64 e do Doom pra Playstation One. Acredito que a Id Software estava apenas ensaiando para o retorno de DOOM, pois DOOM ETERNAL vem aí e vai elevar essa franquia a um patamar ainda mais alto em todos os quesitos. Provavelmente, Doom Eternal será um dos melhores games de tiro todos os tempos, fazendo com que DOOM continue a ser amado, respeitado e temido por todas as outras produtoras de jogos do mundo.
  • Capa de ARK: Survival Evolved Foto de Adonay Rocha para ARK: Survival Evolved
    no
    Win
    em 27 de março de 2019 às 12:02
    O jogo é muito bom, tenho experiencia pra falar isso pois 807 horas nas costa não é facil, a ideia e muito boa domar animais, construir e derrubar bases, você pode upar o seu personagem, deixa-lo do jeito que você quiser, o jogo não é muito fácil de aprender a jogar, é um jogo bem demorado para conseguir upar dependendo da sua configuração de jogo, você pode colocar mods, as vezes fica muito repetitivo mas para isso temos as expansões, como Ark Aberration, Ark Extinction, é muito divertido, vale a pena jogar com amigos, os áudios são ótimos, o visual é lindo mas é mal otimizado então depende de um Pc bom pra ter um gráfico bom, jogabilidade é muito boa simplesmente pelo jeito que ele coloca o jogador, é um jogo de sobrevivência que contem historia, tem alguns boses e tal é bem legal vale a pena comprar. Os bugs não são tao gritantes mas tem bugs, geralmente esse bugs acontecem depois de grandes atualizações, use o modo criativo para aprender a jogar.
  • Capa de Star Wars Battlefront II Foto de Luiz Gustavo para Star Wars Battlefront II
    no
    PS4
    em 20 de março de 2019 às 19:05
    O multiplayer mais desbalanceado da história dos videogames. Neste jogo a EA mais uma vez nos surpreende trazendo um jogo a full price totalmente pay2win. Ou seja, vc comprava Battlefront II a 60 dólares e precisava comprar loot boxes para poder estar no mesmo nível de seus oponentes. Mesmo a EA removendo os loot boxes, a bagunça já tinha sido instalada e o sistema de cartas foi mantido. Se você quiser jogar o multiplayer hoje, você precisa investir em torno de 40 horas para poder estar nivelado com jogadores experientes. O que resta a elogiar é a campanha, que é muito boa! As pessoas que reclamam do tamanho da campanha jogam no easy. Os gráficos são top-notch e estabelecem um padrão da indústria, algo que a EA sempre prezou que é a apresentação. Fora isso, é um jogo totalmente falho! A jogabilidade não é o seu forte e os modos multiplayer não promovem diversão ou senso de competitividade, devido ao sistema de cartas.

Últimas Análises

  • Capa de Tooth and Tail Foto de Luiz Gustavo para Tooth and Tail
    no
    PS4
    em 19 de abril de 2019 às 22:44
    Tooth and Tail é um dos melhores jogos de RTS produzidos recentememte. O jogo apresenta novos conceitos ao gênero. É daqueles jogos fácil de aprender e difícil de dominar. Diferente dos outros jogos de estratégia, as partidas em Tooth and Tail não duram mais que 10 minutos e são muito dinâmicas devido as escolhas de classes no pré-jogo e o mapa procedural. O mapa deve ser revelado pelo jogador, onde você também sempre deve checar o que seu adversário anda fazendo e planejando. Outra particularidade é que você conduz um comandante pra controlar seu exército invés do mero cursor de mouse. As classes do jogo são divididas por 3 tiers de ataque e uma de defesa. As classes de ataque são representadas carinhosamente por animais, cada um com sua vantagem e desvantagem. A campanha do game serve apenas para apresentar os conceitos de gameplay além da lore do jogo representada nos diálogos entre as fases. Mas é no modo multiplayer que o jogo brilha. Contém o modo ranqueado e não ranqueado de 2 a 4 jogadores podendo ser preenchido por bots. As múltiplas opções de abordagem durante a partida, aliado ao número de classes que counteram um ao outro, e aos mapas sempre diferentes, fazem que o jogo nunca enjoe. Os gráficos do game são pixelados e as falas, na linguagem Vyeshal, são belas ao ouvido. Embora Tooth and Tail não tenha se popularizado, contém uma comunidade fiel e presente desde as fases de pré-lançamento, realizando torneios periodicamente. Lembrar que foi desenvolvida por uma developer indie, aumenta ainda mais minha estima pelo game que bate de frente com os jogos mais populares do gênero.
  • Capa de Rocket League Foto de Leonardo Oliveira Cardoso para Rocket League
    no
    PS4
    em 18 de abril de 2019 às 15:34
    Com certeza o game que eu mais joguei na vida, e olha que sou gamer antigo, detalhe, não enjoei ainda e acho que nunca vou enjoar. Rocket League é um jogo pra todas as idades e extremamente divertido, com uma mecânica de movimentação e gravidade impecável, a personalização dos carrinhos tem uma variedade enorme e o modo competitivo do jogo é muito, mas muito disputado, tem que saber jogar... Pontos fracos: Alguns problemas de servidor muito chatos que geram hit lag, mas acontecem de vez em quando e outro ponto é que tudo no jogo é muito caro, dlcs, passes de temporada, de resto é perfeito!
  • Capa de Grand Theft Auto V Foto de ErickJSilveira para Grand Theft Auto V
    no
    360
    em 17 de abril de 2019 às 23:17
    GTA 5 é um jogo maravilhoso, e olha que eu joguei mais na versão do Xbox 360 onde não é tão atualizado como os consoles da nova geração. O jogo é praticamente vivo, sempre tem pessoas nas ruas, carros, e os NPCS sempre fazem algo, sempre fazem gestos, conversam e interagem quando você está próximo. E a campanha do jogo é espetacular, além de ser uma campanha grande você vai acompanhando tudo o que acontece na vida dos personagens, e depois de zerar o jogo ainda tem muitas missões secundarias, então você sempre tem algo para fazer no jogo, e o apego aos personagens que você ganha ao passar do tempo é de mais. O jogo faz você se sentir na pele do personagem, isso que é interessante no jogo, além dos gráficos e jogabilidade lindos também. Recomendo 100% a jogarem essa obra prima da Rockstar Games
  • Capa de Counter-Strike: Global Offensive Foto de ErickJSilveira para Counter-Strike: Global Offensive
    no
    Win
    em 17 de abril de 2019 às 23:12
    Simplesmente um dos melhores jogos de FPS hoje em dia, recentemente ficou grátis dando a possibilidade de quem não tinha dinheiro para pagar poder jogar agora, a diversão do jogo é nota 10, ainda mais quando você joga com os amigos, sempre tem zoação. Esse é um daqueles jogos que se você pegar e focar nele para jogar você fica muito bom e sobe de ranking fácil. O jogo é tão bom que é um dos mais jogados diariamente na Steam e um dos jogos mais famosos do E-Sports. Sem duvidas um dos melhores jogos que eu já joguei, recomendo de mais :D
  • Capa de Kizuna Encounter Foto de Fabio Junio Carvalho para Kizuna Encounter
    no
    Arc
    em 15 de abril de 2019 às 12:03
    Sequência direta de Savage Reign, também para Neo Geo, Kizuna Encounter modifica totalmente a jogabilidade do jogo anterior, retira dois lutadores, acrescenta mais dois (Kim e Rosa), e inova bastante com a jogabilidade Tag - que pode ser feita numa área restrita do cenário (algo que aconteceu no mesmo ano e mês com X-Men vs Street). O jogo abandona os planos de luta do antecessor (algo que era interessante), inclui mais combos e acrescenta tudo que deu certo em Art of Fighting (zoom, tamanho dos personagens e destruição das armaduras/uniformes), Fatal Fury (combos) e King of Fighters (esquiva) - e armas de Samurai Shodown. Kizuna Encounter - Super Tag Battle - é o melhor da franquia, inova com o sistema Tag e ainda nos oferece os dois chefões via código. Boa música, jogabilidade fluida e obrigatório para os fãs de luta. Obs. Perdeu um dos seus lutadores já era
  • Capa de Monument Valley Foto de Só queria zerar um joguinho para Monument Valley
    no
    And
    em 14 de abril de 2019 às 11:37
    Com uma jogabilidade utilizando o touch do celular, Monument Valley surpreende com formas geométricas e ilusão de ótica com o intuito de levar a princesa Ida de um ponto a outro de um jeito diferente, esteja preparado para esquecer as leis da física. A campanha principal, com o nome de "Em Busca por Perdão", possui 8 fases, cada uma delas com estágios próprios não muito longos, mas com puzzles que podem te prender por um tempo, mesmo a forma correta de passar estando bem diante dos seus olhos. A história em si é simples, mas não muito explicada, o jogo possui poucos diálogos e mais gravuras nas paredes das fases tentando mostrar o que está acontecendo e porque a princesa Ida precisa de perdão. Também é possível jogar uma fase extra chamada "Ida's Dream, uma aventura solitária", onde Ida passa por 5 estágios e encontra um velho amigo da campanha principal. Caso a vontade de jogar ainda esteja no auge, apenas compre a DLC "Forgotten Shores", que como o próprio jogo diz, libera oito novos capítulos mágicos. Essa DLC considero mais difícil do que as fases originais, os Puzzles estão ainda mais complexos, uma pena a história não acrescentar muita coisa, mas ainda sim não vai se arrepender. A trilha sonora é bem relaxante quando se joga com fones de ouvido, trás uma sintonia com o jogo sem igual. Quando é feito os movimentos possiveis com as formas geométricas, ouve-se um tom de piano que em alguns estágios trás um toque a mais para a música, assim melhorando ainda mais a trilha sonora. Uma opção interessante que o jogo disponibiliza é o modo foto, que com os monumentos bonitos e coloridos que o jogo possui, as fotografias ficam ótimas como papel de parede do celular. Em algumas fases ao dar Zoom é possível ver o jogo mais pixelado, prejudicando o print Monument Valley se destaca no meio de tantos jogos Pay to Win nas lojas Play Store e Apple Store, merecia ser jogado em 2014 quando foi lançado e hoje, anos depois ainda vale muito a pena jogar.
  • Capa de Ninja Masters Foto de Fabio Junio Carvalho para Ninja Masters
    no
    Arc
    em 11 de abril de 2019 às 18:01
    Apesar do tamanho dos personagens ser menor em relação a outros jogos do Neo Geo, Ninja Masters compensa por seus diversos combos, seus golpes especiais SDM (4 por lutador), modo de jogo com e sem espadas, figuras folclóricas e clima da época (Japão feudal); além disto é possível selecionar os dois chefões do jogo via código. Mais rápido que Samurai Shodown e com mais combos que The Last Blade. Vale a pena! E muito!
  • Capa de Mega Man Foto de Só queria zerar um joguinho para Mega Man
    no
    NES
    em 10 de abril de 2019 às 15:27
    O mundo estava em paz, os humanos conquistaram várias tecnologias pra ajudar no dia a dia. Dois cientistas, Dr. Willy e Dr. Light, criadores principais da série de robôs que ajudam os humanos em construções e usinas elétricas, até mesmo nas áreas mais frias. Até que um dia Dr. Willy traiu a todos e usou esses robôs para o mal, tentando conquistar o mundo. Resta apenas uma salvação, um robô que pode salvar o mundo das garras do Dr. Willy, foi criado pelo Dr. Light, o nome dele é Mega Man. No início do jogo é possível escolher entre 6 fases, cada uma delas com estilos diferentes, entre gelo, fogo, eletricidade, entre outras. No quesito jogabilidade em cada fase, o personagem derrapa um pouco a cada parada, mesmo não estando na fase do gelo, levando a mortes por pequenos vacilos em precipícios e até mesmo na hora de um pulo mais preciso como na fase do Gutzman e Iceman. Nos 6 primeiros chefes é possível obter as armas de cada um deles, tanto para ajudar no decorrer das fases ou até mesmo para derrotar mais facilmente outros chefes, já que cada um possui uma fraqueza com a arma do rival, assim podendo facilitar um pouco o jogo, mas caso não saiba a sequência ou só queira dificultar mais as coisas, só vá na fé. Mega Man não é um jogo impossível, só é necessário prática, mas um problema pra quem joga de pouco a pouco é que não existe Password, então significa que se ligar o jogo, vai precisar terminar em uma jogada. Mas calma, o jogo não tem 30 horas, no maximo entre 1 e 3 sem muita prática é possível terminar. Apenas uma coisa, torça para não ter algum pico de energia em pleno final do jogo (já aconteceu comigo) Pela limitação do NES, Mega Man tem seus momentos onde tem vários inimigos, o jogo tem lags, não acontecendo isso próximo de buracos da pra relevar tranquilo. Algo da época que foi implantado no primeiro Mega Man é o sistema de pontos, igual aos jogos de Arcade e Atari, onde o que importava era ter a maior pontuação gravada na máquina. O complicado é chegar ao final do jogo com a primeira "ficha", já que se der o Game Over os pontos zeram, mas calma, não vai reiniciar o jogo inteiro. Mega Man foi criando em 1987 e hoje em 2019 ainda é possível jogar, até melhor do que muitos jogos lançados anos depois.
  • Capa de Pokémon Alpha Sapphire Foto de Só queria zerar um joguinho para Pokémon Alpha Sapphire
    no
    3DS
    em 08 de abril de 2019 às 20:44
    Pokémon Alpha Sapphire faz jus à franquia, é um ótimo Remake e surpreende muito nos gráficos assim como o seus antecessores X/Y. O único problema em questão gráfica é ao ativar o modo 3D do console que leva a quedas de Frame, tanto nas batalhas, mas um pouco menos nas cutscenes. Os efeitos sonoros dos Pokémons são bem básicos, nada muito diferente das versões antigas, agora as músicas são muito animadas, principalmente contra a equipe Aqua e os Rivais. A história contém algumas diferenças das versões originais, mas nada muito extraordinário antes da Elite dos 4. Após é possível jogar um capítulo a mais do jogo, uma história com Rayquaza e outro Pokémon especial. A dificuldade da jornada não é alta, isso graças a um dos itens que ganha logo no início do jogo, Exp. Share, uma das maiores apelações do mundo Pokémon. Caso queria aumentar a dificuldade, apenas jogue com esse item desligado. Pokémon Alpha Sapphire vale a pena ser jogado, tanto pra quem é fã da franquia, tanto pra quem acabou de pegar um 3DS e está conhecendo agora os monstrinhos.
  • Capa de World Heroes Perfect Foto de Fabio Junio Carvalho para World Heroes Perfect
    no
    Arc
    em 08 de abril de 2019 às 20:00
    World Heroes Perfect tem dois níveis de especiais (SDM), um com a barra HERO cheia (o mais forte) e outro com a energia piscando (a energia começa a piscar quando chega no meio da barra de energia - diferente de outros jogos que ocorre no final da barra); um golpe mais forte com a barra HERO cheia; 4 provocações; segredos nos cenários para se lutar contra Son Gokuu; e códigos para habilitar outros lutadores (como o Gokuu). Além disto tudo os personagens olham para o alto quando o adversário pula e para baixo quando o oponente está abaixado - o que veio a acontecer somente nos jogos 3D que vieram em sequência. Para mim um jogo completo.

Nota do Game

Nos acompanhe!